Além de estudantes e trabalhadores que têm ido às ruas da França contra a reforma trabalhista, o calendário de protestos no país europeu tem tido, do lado contrário, a presença de um ator improvável: a própria polícia francesa. Reclamando da violência dos manifestantes, dezenas de profissionais sindicalizados realizaram atos pedindo o fim da “fúria contra a polícia”.