Em 2015, Supremo liberou fosfoetanolamina para uma paciente terminal, mesmo sem comprovação da eficácia da substância. Daí em diante começou uma guerra judicial, entremeada por medidas do governo, que parece agora estar chegando ao fim.